Tenho a certeza conhece o conceito de uma exposição itinerante. Normalmente trata-se de uma seleção de obras de uma coleção, feita por um especialista (ou pelo próprio colecionador), que depois será exposta em diferentes museus e galerias. Às vezes um amante de arte instruído inventa uma temática para nela unir diferentes artistas, estilos ou épocas. Parecido a uma antologia. Um certo esforço é indispensável para entusiasmar donos de galerias ou diretores de museus com a ideia; para determinar a rota itinerante. E é melhor nem começarmos a falar sobre assuntos do seguro que têm de ser considerados. Quando enfim a organização está perfeita, é necessária uma enorme maquinaria de publicidade e publicação. Isso é tudo complicado e caro, e devidamente tem de ser bem sucedido, ou seja, tem de valer a pena do lado financeiro. Mas no final, com alguma sorte, ou você ou eu temos a oportunidade de ver obras de arte que nunca teriamos visto noutra ocasião.
Ora bem. Recentemente, a ideia mundial de combatermos uma gripe abolindo a cultura e atirando os seus restos na boca abismal da internet pôs um fim a isso tudo. Como artista é necessário inventar coisas novas para satisfazer o desejo de viajar e de serem vistas das suas obras. Por isso eu disse-lhes: Querem ir passear? Tudo bem! Com os meus melhores desejos, vão vocês passear! Façam uma viagem para onde seja que queiram ir. Aqui está uma mochila. Não a percam, pois não é minha. E voltem com uma história e umas fotos bonitas. Ora vão lá!
Isso resultou numa agitação, como pode imaginar. Fiquei surpreendido, porque nenhum dos grandes quadros - apesar de todos os lamentos posteriores - quis sair das paredes domésticas ou da estante de livros, tão confortável. Tantas desculpas normalmente só se ouve dos humanos. Pois estavam mesmo só os quadros mais pequeninos prontos para partir. E nem todos. Alguns continuavam incertos; lá estão pendurados entre saudade e medo. Penso que estejam à espera das primeiras mensagens e fotos, para depois se juntarem aos pioneiros, que escolheram o nome "Grandes Conquistadores" para si próprios.
Foi um esforço para nao rir, mas o seu entusiasmo foi tão contagiante que dei por mim a desejar-lhes uma magnífica exposição itinerante.

Timo, mês de março de 2021